A TRANSFORMAÇÃO É UMA ESQUIVA





Quando capturada, uma matéria rígida pode escapar tornando-se pó.
A transformação é uma esquiva

*

ELETRÓLISE INTERROMPIDA
[o objeto enferrujado compartilha com o galvanizado sua memória e a capacidade de ruir, de se transformar]

Na eletrólise é possível transferir ferrugem de um objeto para outro ao conectá-los a uma fonte de energia num meio aquoso. Geralmente esse processo é utilizado para retirar ferrugem de um dos objetos, no entanto, tenho ativado a eletrólise como método de partilha, ou seja, o objeto enferrujado compartilha sua ferrugem com o objeto alvanizado e quando este tem parte da sua barreira de zinco rompida, e é possível ver novamente a cor original do ferro, o processo é interrompido.

*

OXIDAÇÃO
ELÉTRON
FERRUGEM
RUÍNA
ELETRÓLISE
GALVANIZAÇÃO
RESPIRAÇÃO
CARGA NEGATIVA
MEMÓRIA
LIBERDADE
PARTILHA DA MEMÓRIA
EMBRANQUECIMENTO


Enquanto corpos pretos vivenciam o embranquecimento através da negativação da sua cultura, o ferro vivencia algo semelhante quando é submetido a um processo industrial chamado galvanização, que compreendo como embranquecimento dessa matéria. Trata-se de um banho de zinco que o reveste e impede seu contato com o ar, e assim o impede de oxidar e o mantém cinza. Essa é uma das maneiras com a qual a indústria paralisa a energia dessa matéria a fim de transformála em lucro. O lucro é a garantia da permanência do estado. Quando essa camada de zinco se rompe o ferro oxida e perde elétrons, ou seja, a matéria respira e perde carga negativa. Penso que todo corpo forçosamente retirado de sua origem carrega em si um desejo-ruína, no caso do ferro, a ferrugem é a pronúncia desse desejo, visto que através dela tornase possível voltar à terra, voltar a ser pó. Esse mundo só tem me parecido possível com a paciência e com a violência das pedras. Eu quero transicionar do reino animal para o reino mineral.

*

A indústria, o capitalismo, o colonialismo são a expressão da captura da força natural das matérias a fim de transformá-las numa força de trabalho. Interrompe-se o fluxo do movimento para criação de uma forma estática que gera lucro. O ferro ao mesmo tempo que é uma matéria que assume uma forma está sempre predisposto a desfazê-la, é uma matéria que habita a ruína. Sempre que o ferro respira ele se desfaz.